Um passo de cada vez...

03:22


Eu sou uma pessoa negativa, sou pois e não tenho vergonha de o dizer. Olho à volta e vejo toda a gente muito suspeita, como se cada um estivesse a esconder um crime que acabou de cometer, ou como se estivessem a planear o próximo grande atentado. E acreditem: já fui bem pior. Já vi o mundo como cheio de pessoas fúteis, escanzeladas à procura da nova trend fashion e que a sua única preocupação era «e o que é que os outros pensam de mim?».

Mas estou a mudar. Estou farta desta visão a preto e branco.
Uma vez li uma entrevista do grande John Frusciante, ex-guitarrista dos Red Hot Chili Peppers e ele disse algo do género: por cada coisa má que acontece neste mundo, algo bom acontece também, o mundo está se equilibrando.
Concordo. Porra, este homem já foi ao inferno e voltou ( para quem não sabe, entrou na banda com apenas 17 anos e começou logo a consumir drogas pesadas até à sua reabilitação. aqui está o antes, durante as drogas e o depois - já viu amigos a morrer à sua frente com overdose, já perdeu tudo, já batalhou os seus demónios e agora vive na paz, vai lançando álbuns de vez em quando pela net, longe dos holofotes e casado).

Isto tudo vem de uma simples conversa que  estava a ter uma conversa com um amigo sobre um programa de ficção cientifica e como é que o planeta Terra e os seus habitantes são sempre vistos «lá fora». Ele disse: «nas séries e nos filmes somos sempre vistos como uma boa espécie pelos de "fora", mesmo sendo nós uns m*rdas que em nada contribuímos pelo bem estar do planeta, antes pelo contrário». Eu respondi: «não generalizes». E ele concluí com «claro que há excepções, mas não são essas que fazem a diferença, nós nunca contribuímos para o bem-estar do planeta. das raras vezes que contribuímos foi para tentar emendar alguma asneira que fizemos. só damos cabo do que nos rodeia».

Sei disso, já pensei e ainda penso um pouco como ele. Ligamos a TV e só vemos guerra, fome e destruição. Ninguém faz voluntariado e quando fazem é quando são forçados. Derrubamos milhentas florestas para enriquecer uns poucos que não dão nada a ninguém. Matamos animais, humanos, tudo para o bem de outros poucos. Parece que não sentimos e de certa forma já estamos dormentes quando vemos noticias do género. Ficamos em silêncio e nada passa pelas nossas mentes. 
Já não somos como os nossos avôs e bisavôs que se levantaram e pararam um país para os seus netos tivessem a liberdade que eles não tiveram (falo por exemplo de revoluções como a dos Cravos em Portugal - 25 de Abril). Não visitamos os nossos vizinhos, não fazemos o mínimo esforço para nos darmos bem. E quando algo «parte-se»...não remendamos...«compramos» «um» novo (e aqui tanto falo tanto de bens materiais como sentimentos).



Realmente só emendamos erros e não os evitamos. Por isso vamos lá EMENDAR ESTE ERRO: Não criem os vossos filhos no meio de tanta falsidade e facilitismo. Eduquem-nos na base do respeito, amor e paciência. Não venham com m*rdas como «ah os professores não devem gritar senão traumatiza a criança» (FOD*S, tá certo que antes - 20 a 30 anos para trás - levavam réguadas no cu, isso traumatiza. Mas colocar ordem numa sala onde ninguém respeita mais a figura de autoridade que é um Professor?? Coloquem-se nos sapatos do Professor que entra, todos os dias, numa sala de aula com mais de 20 alunos que não o respeita porque ouvem os paizinhos em casa a falar mal deste e daquele, e por isso seguem os seus exemplos e estão-se pouco fod*ndo para figuras de autoridade. E isto é apenas um exemplo! Antes o Professor era olhado com tanta admiração e agora são tão desprezados. Sei do que falo: minha mãe é Professora e já a ouvi a falar tanta coisa que mete nojo desta humanidade. Cenas como pais a irem até à escola e ao sindicado, fazerem escândalo e a ameaçarem disto e de aquilo porque supostamente puxaram as orelhas à filha deles - detalhe, minha mãe estava a arranjar o cabelo da rapariga e quando puxou a fita/bandolete, os brincos ficam presos no tecido e as orelhas ficaram para trás... e assim começa o rumor de que a minha mãe puxou as orelhas de uma criança. No mínimo, ridículo. Isto levou a INVESTIGAÇÃO e quase suspenderam a minha mãe! Vejam lá a situação). Parem  de falar mal das pessoas, de olhares críticos, de gestos falsos. Tratem melhor o outro. Sorriam mais e cumprimentem as pessoas com um sorriso (sei também do que falo - tantos dias que andei por aí perdida e deprimida, quando um simples sorriso de um estranho me aquecia e me fazia sorrir também. Por isso sejam mais simpáticos, entrem no mini-mercado/farmácia/o que quiserem, e digam «bom dia» de sorriso no rosto! Ninguém fica indiferente e é contagiante,...o dia corre logo melhor!). Vão ao site da Câmara Municipal ou ao Dr. Google e procurem por acções de voluntariado. Uma ou duas horas por dia não é nada!! E sempre é menos tempo que passas a bufar e a dizer que não tens nada para fazer! Dar é tão reconfortante e recompensador e há tanta gente que precisa da tua ajuda. Não é preciso grande gestos para fazer a diferença: olha à tua volta, vê quem precisa da tua companhia, da tua ajuda e dá a tua mão, sem medos! 
Sai mais de casa, passeia. Esta nossa ignorância do que nos rodeia vem de estarmos tanto tempo presos a um telemóvel, computador ou televisão. Como temos tão fácil acesso a tudo, pensamos logo que JÁ sabemos tudo ... quando não é verdade!
Acreditem também no Karma: se fizeres o mal, mal receberás e vice-versa! (tenho certeza que se mais pessoas pensassem neste conceito todos os dias, o mundo não seria aquilo que é!). Não tenham medo de fazer «figura»: fazer conversa com estranhos na paragem de autocarro, numa fila qualquer, FALEM!  E perdoem. Esqueçam conflitos! Não sejas aquele ser mesquinho que passa a vida a fazer fofoca dos outros ou que param de falar com alguém por um erro. 
Mas hey! Não é por teres feito voluntariado uma vez ou por teres entrado numa loja a sorrir que já és um ser maravilhoso! Faz isso todos os dias! Porque...


Voltando à conversa inicial: acredito. Acredito que nem todos estão a planear um atentado ou a esconder algum crime ou pecado mortal. Acredito no bem das pessoas. No bom senso. Sei que à noite muitas pensam no que fizeram naquele dia e se arrependem e tentam fazer melhor no dia seguinte. E é assim que vivemos...melhorando dia após dia. E se não fazes parte deste grupo, ainda vais a tempo. Muda e o mundo mudará contigo!


*imagens retiradas do Tumblr

You Might Also Like

16 Comments

  1. eu amei este post . tudo o que disseste é bem verdade , faz todo o sentido e as pessoas deviam de o fazer .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Custou a sair o texto e estava à espera de todos dizerem que estava confuso mas aqui está ele ;p ainda vou desenvolver mais este assunto :) ando a planear uma série de rubricas de solidariedade, a ver vamos! Beijinho

      Eliminar
  2. Leres o livro O segredo ia ajudar-te a ser mais positiva e a ver a vida com outros olhos, podes encontrar o livro na livraria Wook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já li , ajudou-me na altura mas recentemente reli e achei uma palhaçada. Não o que dizia, porque o que diziam era simples e verdadeiro: pensa no bem, faz o bem e bem receberás. Tudo certo. Achei foi palhaçada a cena toda de marketing à volta daquilo vê o dvd e vais entender :) mas obrigada!

      Eliminar
  3. R.: aqui onde vivo, o sol não foi embora :) mas aceito o conselho da calma: obrigada! :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei ler este texto e identifico-me com tudo aquilo que disseste :)

    ResponderEliminar