Onde é que eu pertenço? - Dúvida de uma recém-«adulta».

00:02


Sabem, eu nasci e cresci durante 8 anos numa cidade e depois mudei-me para uma vila. Fiquei lá até ao 12º ano e nisto começa a faculdade e fui para Coimbra. Depois foi o estágio e segui para o Porto e agora encontro-me no ponto de partida: Viseu. 

Estava agora a ver um video sobre uma actividade que passou pelo Centro de Espectáculos da dita vila onde vivo (nos fins de semana - ainda lá tenho os meus pais e irmão) e pensei: vivi/o naquela vila e não apareceu nem uma alma que me parecesse familiar. Nem uma! De jovens a mais velhos... Nisto dou comigo a reflectir onde pertenço. Vivi 8 anos em Viseu e já não conheço a cidade. Mudou muito desde 1998/9, é normal, mas também não tenho nem uma alma conhecida aqui na cidade. Ok, mentira, tenho três amigas de infância que perdi contacto e só nos últimos anos de faculdade é que as reencontrei, mas não há afinidade, apenas aquele laço de lembrança dos anos de ouro da escola primária. E na vila? A vila conheço só o centro e duas mãos cheias de pessoas que me acompanharam do 3º ano ao 12º. Mas chegou a faculdade e todos se afastaram, ganharam novas vidas e eu também. Juntamo-nos ocasionalmente para beber um café mas não passa disso. E em Coimbra? Deixei lá amigos mas sei que o tempo mos vai mostrar cada vez mais...«desconhecidos». E o Porto, igualmente.

Não pertenço a lado nenhum e é tão triste reconhecer isto. Não tenho aquela terra com que nos lembramos e vem uma lágrima aos olhos. Não tenho aquele grupo de amigos que sinto falta diariamente. Apenas sei que a vida seguiu e não esperou por mim. Ou então não vivi. Também é uma hipótese. Não vivi Viseu, Coimbra, a vila ou o Porto. 

Porque para mim um sentimento de pertença apenas via naquelas pessoas que estavam sediadas naquela cidade ou vila durante várias gerações e que voltam a ela com coração apertado de tantas saudades. Conhecem todos, do padeiro ao advogado, fazem noitadas com amigos de infância. E eu nunca tive isso. Nunca tive a cena das «várias gerações» porque a minha família nunca parou num sitio durante muito tempo. Não conheço ninguém com quem me cruzo nas ruas (na Vila ainda conheço mas só assim de passagem...não sei nomes, não sei com quem vivem, o que fazem, ...nada!); e amigos e noitadas nem vê-las.

Sinto-me sem história, sem passado, sem conhecidos. Sinto que se morresse hoje, ninguém ia saber quem era a Cisma que aparecia naqueles papeis macabros espalhados pela vila, pela funerária. E isto deixa-me triste. 
Sim, tenho família, infância feliz, adolescência difícil mas normal, e agora a entrar na dita fase adulta. Uma vida normal...mas sem sentimento de pertença. Pelos vistos caberá a mim encontrar o meu sitio. Os meus conhecidos em cada loja, e tudo mais, que me vai fazer sentir todas as manhãs, quando abro as persianas e olho para a cidade a pensar: este é o meu lugar. May the adulthood phase begin...

You Might Also Like

24 Comments

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Querida Cisma, posso tentar entender o que sentes e que não deve ser fácil. É importante sentir que pertencemos. E por vezes, a nossa vida passa por alturas em que somos quase nómadas simplesmente porque ainda não nos encontrarmos. Your home is where your heart is. Encontra-te primeiro, e depois dá-te a encontrar :) Tu és importante! Beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. aw obrigada :) é essa «procura» que vou iniciar! a ver vamos como isto corre! Beijinho!

      Eliminar
  3. Vi no teu texto muito sentimento e que é algo que te deixa triste não te sentires agarrada a um lugar especifico. Mas pensa que para os mais próximos és importante de certeza e que tens sempre alguém a quem recorrer. E apesar de não terem ficado amizades sólidas, sempre foste conhecendo várias pessoas e lugares. E agora que chegaste a adulta, vais ter um lugar definitivo (penso eu) que terás oportunidade de explorar no futuro e ganhar raízes.
    Um beijinho e bom fim-de-semana *

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é isso que espero mesmo: começar a ganhar raízes, preciso disso para alguma sanidade mental!
      Obrigada pelo teu comentário :)
      Beijinho

      Eliminar
  4. O sítio a qual chamamos "casa" não tem que ser o sítio onde crescemos, e provavelmente ainda nem conheceste o teu. A vida dá muitas voltas, e um dia vais olhar para trás e ver que afinal o local a que pertences não era o mais previsível ou o que conheces há mais tempo, mas aquele que te traz melhores recordações :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tão verdade! apesar de tudo, Viseu foi a minha primeira casa e traz muitas boas recordações, mas como estive longe durante vários anos, há aquele sentimento de afastamento super estranho :/ a ver vamos se começo a ganhar raízes! Beijinho

      Eliminar
  5. R.: acredito, também comecei a ver só há por aí 3 anos :)

    ResponderEliminar
  6. Acredita que por vezes nos sentimos perdida, mas a vida pode ser mesmo assim... Mas o mais importante é gostares de ti mesmo, teres a tua identidade e depois dos momentos menos bons, vêm os muito bons... ;) A vida não pára e vão de certeza aparecer muitas mais pessoas no teu caminho e quem sabe não serão essas que se vão manter para sempre? ;)

    R de Rita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quero acreditar nisso :) ainda só tenho 22 anos...vida continua!
      Muito obrigada pelo comentário! Beijinhos

      Eliminar
  7. Não penses assim acho uqe isso é normal :) Olha eu vivo na mesma cidade onde nasci e 25 anos depois todas as pessoas que cresceram comigo que andaram na escola comigo mudaram-se pra outro sitios! Ou seja basicamente tambem não tenho cá ninguem conhecido =/ E acotece o mesmo a estes meus amigos que foram pra fora...acho que é uma coisa ormal só temos de nos habituar =)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. verdade, isso acontece sempre um bocado. mas falo também nas pessoas da vila e cidade, entendes? pessoas fora do teu circulo de amigos... não conheço nem uma alma xD ou tenho memória muito fraca ou então não sei...
      Obrigada pelo comentário :) Beijinho

      Eliminar
  8. Por acaso tenho a sorte de me sentir em casa na minha cidade. Já vivi em Lisboa, já passei um ano nos Estados Unidos durante a minha adolescência e mesmo enquanto lá estava sentia que o meu lugar era aqui. Acredito que um dia ainda vais sentir que uma cidade é a tua casa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sorte a tua :) Aproveita bem esse sentimento!
      A ver vamos :)

      Eliminar
  9. Obrigada <3
    tens um blog super giro também estou a seguir *

    ResponderEliminar
  10. espero que esse sentimento mude depressa ;) :* :*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um passo de cada vez e irá mudar :) Obrigada!

      Eliminar
  11. "Pelos vistos caberá a mim encontrar o meu sitio. Os meus conhecidos em cada loja, e tudo mais, que me vai fazer sentir todas as manhãs, quando abro as persianas e olho para a cidade a pensar: este é o meu lugar." nem mais! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais ;p hahahah obrigada pelo comentário!

      Eliminar